cat @ 12:50

Qui, 29/10/09

No que diz respeito à definição do processo de amostragem e instrumentação do meu projecto, é importante dizer que o mesmo pode alterar-se segundo as modificações do mesmo. Assim, logo a priori, dependendo do nível de fiabilidade e profundidade do protótipo a ser realizado, poder-se-à alterar o plano.

Posto isto, estando o Context Broker (o directório de armazenamento de todos os Context Providers - que fornecem informações de presença, localização, perfil, grupos, entre outros) localizado no Instituto de Telecomunicações, os testes com uma aplicação que faça pedidos a esta entidade deverão ser realizados no Campus. Assim, a nível de participantes, neste caso verificar-se-à uma amostragem por conveniencia, sendo que os individuos abrangidos pelo estudo serão alunos/docentes da universidade de Aveiro ou provavelmente investigadores do Instituto de Telecomunicações/PTInovação. Levantam-se neste tipo de amostragem problemas de representatividade, assim como um possivel enviesamento de resultados. Quando tiver mais informações definitivas sobre o projecto, poderei tentar delimitar de forma mais interessante a amostra que tenho ao meu dispôr - por exemplo, havendo um cenário, poderei adequar a amostra ao mesmo (no projecto C-Cast, por exemplo, existem três diferentes cenários - comboio, festa e shopping, sendo que cada um deles se destina a públicos distintos).

Quanto aos dados que pretendo recolher, para além do sexo e da idade, é relevante inferir sobre a literacia tecnológica quanto a dispositivos móveis, isto é, se os participantes já estão habituados a lidar com dispositivos cujo o paradigma de interacção se assemelhe ao Android. Ainda, é importante recolher informação sobre o acesso, compreensão e utilização das funcionalidades disponibilizadas na aplicação, quer ao nível da eficiência, como da eficácia, assim como da satisfação em relação à experiência tida. Neste momento, ainda não sei precisar se os participantes irão interagir com o dispositivo em si tendo a aplicação instalada, ou com um simulador.

Finalmente, o processo de instrumentação deve visar a selecção e desenho dos instrumentos que me permitirão obter os dados referidos acima. Neste âmbito, será necessário realizar um inquérito por questionário, de modo a recolher informações para a caracterização da amostra (sexo, idade, entre outros),colocado inicialmente, mas possivelmente também para inquirir sobre a satisfação verificada (ou não) no uso da aplicação, no final. Quanto à analise da aplicação a nível funcional, ainda tenho algumas incertezas. Caso seja utilizado o simulador, poderei utilizar o ScreenFlow para gravar a interacção e a indicação do número e locais de cliques, informações que seriam condensadas numa grelha de observação. Nas minhas pesquisas, encontrei também informações sobre um sistema de eye tracking a funcionar com a manipulação de um dispositivo Android, a ser lançado em breve, da Tobii. O problema é que este tipo de solução é normalmente dispendiosa e de difícil acesso; fica registado o interesse.


Sendo uma aplicação que se espera inovadora, talvez seja relevante a realização de um focus group, com necessidade de elaborar um guião para orientar/moderar o mesmo, e grelhas para a analise/transcrição da informação recolhida (sendo a sessão possivelmente gravada em vídeo).


[nota de rodapé: temo que anteriormente tenha trocado uma tarefa de unidade curricular, assumi a de selecção de projectos semelhantes entre os meus colegas como sendo de Seminário e penso que seria de projecto de dissertação, o que pode ter trocado um pouco a numeração que tenho assumido para as identificar. O que importa é que respondi a todos os desafios "ordeiramente" e dentro do tempo estipulado, portanto vou manter a lógica. :) ]




cat @ 21:48

Qua, 28/10/09

Para a construção do índice, uma tarefa enorme sobretudo quando as indefinições ainda são muitas, comecei por elaborar o que seria uma listagem de objectivos por temática, ou seja, aquilo que eu gostaria de "objectivamente" saber/compreender/investigar nas diversas componentes envolvidas no projecto.
A ideia é partir desta listagem para a abstração e construção de quatro ou cinco objectivos mais relevantes (objctivos gerais), abrangentes, e também para a arborescência do índice.
Para todos aqueles que estão um bocadinho perdidos nesta tarefa, esta foi a minha estratégia. Pode ser que vos inspire. :)
Mais novidades para breve!

Projecto I&D - Áreas envolvidas vs objectivos



cat @ 15:19

Seg, 26/10/09

Na passada 6ªfeira eu e o João Silva tivemos mais um encontro de orientação. Em relação à reunião anterior, tinhamos ficado com a sensação que deveriamos procurar mais funcionalidades para a futura "social-context-aware-mobile-application", sendo que os nossos orientadores pretendiam sim que tivessemos antes definido a separação dos nossos caminhos, isto é, em que ponto deveriamos divergir. Do meu ponto de vista, tinha pensado focar-me, teoricamente, em Mobile Context-Awareness, HCI e Design Guidelines (aplicadas ao primeiro conceito) e Usabilidade e Avaliação (aplicada também ao primeiro conceito), devendo estes grandes bolos representarem de certa forma capítulos do meu enquadramento teórico, deixando a parte da investigação "social" para o João. No entanto, esta separação não poderá ser assim estanque, sendo que devo contemplar também a componente social, funcional e audiovisual - simplificando, social mobile TV.

Assim,devo ter em conta as actividades sociais que poderão ocorrer do lado do cliente em torno de conteúdo personalizado, conteúdo esse de cariz audiovisual, que acaba por resultar num canal personalizado - "MyChannel". Do ponto de vista da inovação (que é uma pequena palavrinha que me tem vindo a atormentar), segundo algumas leituras, penso que o aspecto mais promissor estará ligado às potencialidades de previsão de intenções futuras/reasoning da aplicação, destacando a afirmação lida num artigo “Intention modeling is the Holy Grail for context awareness". [link] De referir que ignorei todas as referências feitas a aplicações de Realidade Aumentada e afirmações do género de "Future smartphones will provide information via a live video feed about locations at which the phone is pointed.". :)
 

Neste momento estou a tentar desenhar os objectivos da minha investigação, tal como fui aconselhada, e continuo na leitura e reunião de informações, para poder esboçar o índice.

Para finalizar, seguem então dois livros que considerei pertinentes (para além de extremamente dispendiosos):
Handbook of Research on User Interface Design and Evaluation for Mobile Technology
Context-Aware Mobile and Ubiquitous Computing for Enhanced Usability: Adaptive Technologies and Applications

[interessados: contactem-me/deixem comentário para vos providenciar uma cópia totalmente legal]

Mais novidades para breve, muito breve.
 




cat @ 13:58

Qui, 22/10/09

A actividade de Seminário lançada à distância na passada 6ªFeira implica a identificação de teorias/modelos/autores/conceitos que sejam relevantes para a minha investigação.

No que diz respeito aos conceitos/áreas, destaco Mobile Context-Awareness, HCI e Design Guidelines (aplicadas ao primeiro conceito) e Usabilidade e Avaliação (aplicada também ao primeiro conceito).

Em relação a autores, Jonna Häkkilä, investigadora no Nokia Research Center, debruçou-se na sua tese de doutoramento sobre a temática "Usability with context-aware mobile applications. Case studies and design guidelines"[link], indo de encontro às áreas que pretendo estudar. Em diversos artigos continuou a abordar este assunto, sendo que realço o "Developing design guidelines for context-aware mobile applications"[link] onde enumera um conjunto de guidelines aplicadas às context-aware mobile applications e estudos de verificação das mesmas. A acompanhar esta visão da Häkkilä, é importante ter por referência as heurísticas de usabilidade de Nielsen, originalmente relacionadas com o ambiente web, mas que agora são completadas por trabalho do autor realizado na área do mobile[link]. Finalmente, refiro o trabalho de Scott Weiss, que também se dedicou ao estudo da prototipagem, design e usabilidade aplicada aos dispositivos móveis, como é exemplo o capítulo "Handheld Usability: Design, Prototyping, and Usability Testing for Mobile Phones, PDAs, and Pagers"[link].



Esta informação poderá (e deverá) sofre updates nos próximos dias.


 




cat @ 15:41

Seg, 19/10/09

Na aula de Seminário de 9 de Outubro, o Leonardo reforçou a importância da organização, da necessidade de um trabalho faseado, esforçado e, ainda, a dolorosa necessidade de dominar as normas de formatação de referências, para a escrita da dissertação. Sendo que o uso do EndNote facilita o trabalho, pelo que já explorei do software, é importante ter uma noção básica das normas. Assim, partilho o tutorial "Basics of APA Style", que encontei através de um tweet da @maresta aqui há uns tempos. [link]

E pronto, como devem ter reparado, mudei a decoração cá da casa, visto que a outra não tinha chegado a bom porto. Espero que agrade!
 


Tags:

Ou tudo o que vai encaixar numa dissertação de Mestrado em Comunicação Multimédia. Interacção, interfaces, usabilidade, mobile, conteúdo, contexto, coisas-de-interesse-genérico. Ah, e ainda, postcards from Italy.
Pesquisar
 
Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12
13

18
20
21
23
24

25
27
30
31


Arquivos
Twitter
    follow me on Twitter
    Mais sobre mim
    subscrever feeds